Revista Ide e Anunciai: 8. Dom Frei Luigi Vincenzo Bernetti

Dom Frei Luigi Vincenzo Bernetti dos Sagrados Corações

Dom Frei Luigi Vincenzo Bernetti (Frei Luís Vicente Bernetti) OAD, Bispo emérito de Apucarana (PR), nasceu na Itália, aos 24 de março de 1934, filho do casal Oreste Bernetti e Elvira Damiani. Com apenas 10 anos de idade, coisa normal naquele tempo, ingressou no seminário dos Frades Agostinianos Descalços.

Aos 15 de agosto de 1950 vestiu o hábito religioso dos Agostinianos Descalços, dando início ao ano de noviciado. Aos 28 de agosto de 1951 fez sua Profissão dos votos simples; e aos 23 de março de 1955 emitiu sua Profissão Solene. Foi ordenado diácono aos 30 de novembro de 1957; foi ordenado sacerdote a 01 de junho de 1958, em Fermo sua cidade natal, com apenas 24 anos de idade, por Dom Norberto Perini, arcebispo arquidiocesano. Por um curto período de tempo foi Mestre dos seminaristas, em Fermo, no mesmo seminário onde ele havia ingressado.

Com menos de três anos de sacerdócio, optou por dar sua disponibilidade para ser missionário no Brasil e, recebido o consentimento dos superiores, enfrentou sua viagem de navio chegando no Brasil aos 21 de março de 1961. A partir daí iniciou sua aventura missionária. Seu primeiro campo de trabalho foi a Paróquia Santa Rita dos Impossíveis, no bairro de Ramos, no Rio de Janeiro, até então a única comunidade dos Agostinianos Descalços em terra brasileira.

Mais tarde foi transferido para a Comunidade Nossa Senhora da Conceição, em Bom Jardim (RJ), a segunda constituída no Brasil, na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, colaborando como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Conceição. Cursou a Faculdade das Irmãs Dorotéias, em Nova Friburgo (RJ), formando-se em Pedagogia para poder lecionar no nosso Colégio Santo Agostinho de Bom Jardim (RJ). Nos anos seguintes, naquela comunidade, sem deixar de lado as atividades pastorais em diferentes paróquias e o Curso na Faculdade de Nova Friburgo, se juntou aos confrades para a realização do sonho de ter o primeiro seminário da Ordem no Brasil, que na verdade resultou no Colégio Santo Agostinho. Na hora da construção não poupou esforços, pondo literalmente as mãos na massa, sujeitando-se a qualquer tipo de trabalho.

Frei Luigi Vincenzo Bernetti

Em 1971 foi designado como Pároco da Paróquia Santa Rita dos Impossíveis, em Ramos, no Rio de Janeiro (RJ). Foi o idealizador e o construtor da atual igreja Santa Rita dos Impossíveis, cuja edificação iniciou-se em 1975 e concluiu-se em 1981, quando foi consagrada pelo Cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales, arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro, aos 22 de maio de 1981, festa da Santa padroeira.

Em 1982 foi transferido para o Paraná na recém constituída Comunidade Santa Mônica, no município de Toledo (PR). Por um ano atendeu a Paróquia Santo Antônio, em Formosa do Oeste (PR). A partir de 1983 exerceu seu ministério como pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Ouro Verde do Oeste (PR), que ficava mais próxima de Toledo, onde acompanhava a construção do Seminário Santa Mônica.

De 1988 a 1993 foi Mestre dos estudantes de filosofia e teologia no Seminário Santa Rita no Rio de Janeiro. No dia 05 de fevereiro de 1994 tomou posse na Paróquia Santa Teresinha e Santo Agostinho de Ampére, cargo que exerceu até sua ordenação episcopal como Bispo Auxiliar de Palmas e Francisco Beltrão, dia 25 de agosto de 1996.

Frei Antonio Desideri e Frei Luigi Bernetti

Batismo de Frei Marcio dos Santos Silva, Rio de Janeiro (RJ),
22/10/1978

Enfim, Dom Luís serviu a Ordem em tudo aquilo que lhe foi pedido: foi Superior Regional da Delegação do Brasil de 1976 a 1988 e de 1995 a 1996 quando chegou sua nomeação episcopal. Exerceu o cargo de Prior em várias comunidades locais. Foi Vigário paroquial e Pároco em diferentes paróquias, foi Mestre dos seminaristas e também Mestre dos jovens religiosos. Acompanhou com muita competência a construção da Matriz da Paróquia Santa Rita no Rio de Janeiro, bem como a construção do Seminário Santa Mônica em Toledo e ajudou também nas demais obras da nossa Província. Soube ser arquiteto e também ajudante de pedreiro, assim como soube ser Vigário paroquial e Pároco, soube ser Bispo Auxiliar e também Bispo Diocesano de Apucarana. Tudo realizou com muito amor e humildade, demonstrando em tudo muita serenidade, simplicidade e sabedoria.

Por onde passou deixou as marcas registradas de seu temperamento e de seu jeito de ser: amor à Igreja e à sua família religiosa, simplicidade, humildade, dedicação e serviço. É dele uma expressão que ficou famosa a respeito da nossa Ordem: “Ela não é a maior família, nem a melhor, mas é a nossa família”. Seguiu à risca o lema da Ordem “Servir ao Altíssimo em espírito de humildade”, nunca se prevalecendo de sua posição ou de seus cargos.

Ordenação Episcopal Dom Luigi, Ampére (PR),
25/08/1996.

Sua ordenação episcopal se deu no Ginásio de Esportes da cidade de Ampère (PR), no dia 25 de agosto de 1996, com a participação de muitos Bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas e cerca de três mil fiéis. Seu lema episcopal era: “euntes, praedicate” “Ide, pregai o Evangelho”. Alguns dias antes da sua ordenação episcopal (19 de agosto) recebeu o título de Cidadão Honorário de Ampére.

Foi o Bispo auxiliar que Dom Agostinho esperava e precisava: disposto a fazer tudo o que precisasse para aliviar o peso do múnus episcopal de “seu chefe”, de saúde um tanto precária, marcada pelos achaques da idade, pelos problemas cardíacos e a dificuldade de locomoção. Dom Luís o representava em quase todos os eventos e celebrações fora da Diocese, tais como: Assembleias Nacionais dos bispos em Itaici (SP); Assembleias regionais em Curitiba; Reuniões dos Bispos da Província eclesiástica de Cascavel; Encontros para os Bispos organizados anualmente pela Arquidiocese do Rio de Janeiro. Muitíssimas vezes Dom Agostinho o delegou como seu representante também em reuniões, encontros, celebrações dentro de sua própria diocese. Estava bem consciente de que ser bispo não era uma honra, mas um serviço.
Aos 24 de abril de 2005 tomou posse como Bispo da Diocese de Apucarana (PR), onde permaneceu no pastoreio daquela Diocese até quando se tornou Bispo Emérito aos 08 de fevereiro de 2009. Aos 02 de outubro de 2009 entregou a Diocese a Dom Celso Antônio Marchiori.

Visita ad Limina de Dom Agostinho José Sartori e Dom Luigi Bernetti, Roma – Itália,
2003.

Foi Bispo referencial para a Pastoral Vocacional no Paraná desde 1999. Foi Bispo referencial para a Conferencia dos religiosos do Paraná desde 2003. Foi membro da Presidência da CNBB do Paraná, representando a Província Eclesiástica de Cascavel entre 1999 e 2002.

Ao longo destes anos como Bispo nunca esqueceu sua família religiosa. Sempre que seus compromissos o permitiam estava entre nós, ordenando sacerdotes, pregando retiro, fazendo palestras, enfim sendo nosso irmão. Quando se tornou Bispo Emérito voltou definitivamente à Ordem dos Agostinianos Descalços que o acolheu de braços abertos. Viveu seus últimos anos na comunidade Nossa Senhora da Conceição em Bom Jardim (RJ), que o acompanhou em tudo com muito amor e dedicação. Acometido com o mal de Alzheimer foi se tornando sempre mais dependente em tudo dos irmãos e irmãs. Ele que a vida inteira só soube servir nos últimos anos, soube, com humildade e paciência, receber a ajuda dos demais. Apesar da doença, sempre se ouvia de sua boca, consciente ou não, palavras que edificavam. Podemos dizer que até o final de sua vida cumpriu o seu lema: ‘‘Ide, anunciai o Evangelho’’. Faleceu às 18h do dia 11 de agosto de 2017, na cidade de Bom Jardim (RJ), com 83 anos de idade. Seu sepultamento se realizou em Ampére no dia 14 de agosto de 2017.

Comunidade religiosa de Bom Jardim (RJ),
2016.


Dom Frei Luís Vincenzo Bernetti, oad, 3º Bispo diocesano de Apucarana (PR)

Em 02 de fevereiro de 2005, em um de seus últimos atos, São João Paulo II, então Papa, nomeou o Bispo Auxiliar de Palmas/Francisco Beltrão, Dom Frei Luís Vincenzo Bernetti OAD, como 3º. Bispo da Diocese da Apucarana. A posse deu-se aos 21 de abril de 2005. Dom Frei Luís, compareceu à Catedral Diocesana de Apucarana, acompanhado de Frei Antônio Desideri OAD e muitos outros confrades. Junto à porta principal da Catedral, foi recebido por Dom Domingos Gabriel Wisniewski CM – 2º. Bispo Diocesano e por todos os presbíteros da Diocese. A cerimônia contou com a presença do Episcopado Paranaense. Grande número de sacerdotes diocesanos e religiosos, diáconos, religiosas, seminaristas e uma multidão de fiéis de todos os quadrantes da Diocese tomaram todo o espaço da Catedral.

Após toda a euforia da chegada e da novidade, rapidamente o novo Bispo já demonstrou para que veio. Organizou uma visita pastoral, onde em sessenta dias praticamente, conheceu todas as Paróquias, celebrando com o povo e tendo um primeiro contato com cada Padre. Com o aumento do número de Sacerdotes e também diante de limitações de alguns, não pensou duas vezes e começou a nomear vigários paroquiais. Os Reitores dos Seminários deixaram as funções de párocos, dedicando o tempo à formação dos futuros Presbíteros. Frequentemente visitava os seminários, tanto para conviver, quanto para tomar refeições e, sobretudo para celebrar a Santa Missa. Apreciava conviver e visitar os Padres. Surpreendeu o povo, quando em dias de semana se fez presente na Catedral, presidindo a Santa Missa e distribuindo a comunhão aos fiéis. Demonstrou um zelo pela Liturgia, ensinando e corrigindo certas situações que estavam passando despercebidas. Fez-se presente em congressos, jornadas, encontros, retiros, reuniões, que as Pastorais e Movimentos a nível Diocesano realizavam.

A princípio residiu na Casa Paroquial da Catedral, pois a nova residência episcopal estava em construção. Costumava dizer: “Os Padres são meus filhos e são os melhores do mundo”. Quando da inauguração da referida residência episcopal, para a qual fez questão da presença de todos os padres, celebrou a Santa Missa solene para abençoá-la e deu uma Bênção especial à capela e ao altar. Concluiu a cerimônia dizendo: “Esta é a casa dos Padres onde mora o Bispo.” E mais, “Nenhum Padre fique procurando lugar para a refeição ou pouso. Se dirigindo para Apucarana, avisem para que possamos nos organizar. Se não for possível avisar, venham da mesma forma.” Em outras ocasiões exortava: “Nunca diga não à Igreja, Deus vai lhe dar a Graça de Estado para cumprir a nova missão.”

Também convidou alguns Padres para morar com ele. E com seu modo especial de viver foi conduzindo sua missão. Sempre demonstrou humildade, determinação na resolução de problemas, vida intensa de oração e contemplação. Sempre enfrentou as diversas situações que lhe eram apresentadas e apresentou soluções, procurando demonstrar o cuidado de Pastor. O bem que ele deixou por onde passou não temos como medir, mas aqui registramos alguns dados:
1)Nesse período foi ordenado Bispo em nossa Catedral, o então Padre Dirceu Vegini, na ocasião Dom Luís foi um dos bispos Consagrantes.
2)Ordenou 10 Presbíteros.
3)Ordenou 6 Diáconos Permanentes.
4)Criou e Instalou a Paróquia Santa Rita de Cássia em Arapongas.
5)Conferiu o Sacramento do Crisma a 18.902 pessoas.

Na Solenidade do Sagrado Coração de Jesus de 2008, celebrou seu Jubileu de Ouro de Ordenação Presbiteral, para o ato recebeu o Exmo. e Revmo. Sr Dom Lorenzo Baldisseri – Núncio Apostólico no Brasil, que presidiu a solenidade. Além do Núncio Apostólico, se fizeram presentes na Catedral, o episcopado paranaense, os Frades Agostinianos Descalços, o Clero Diocesano, Religiosas e Seminaristas, bem como grande número de fiéis das várias Paróquias da Diocese. Também em comemoração ao seu Jubileu, a Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima em Apucarana, fez fundir um sino de bronze de 135 kg, afinado com a nota musical MI, dedicado ao “Deus Altíssimo”, trazendo incrustrado uma homenagem ao Jubileu de Ouro de seu Bispo Diocesano. O próprio Dom Luís, procedeu a cerimônia de “batismo” do sino e o tocou pela primeira vez.

Ordenação Sacerdotal de Padre José Vendrusculo, CS, Astorga (PR),
24/04/2005.

Bodas de Ouro Sacerdotal de Dom Luis com o Núncio Dom Lourenço Baldisseri.

Com os sinais da doença e suas limitações, apresentou sua renúncia à Santa Sé, às vésperas de completar 75 anos de idade. Aos 9 de julho de 2009, Sua Santidade o Papa Bento XVI, aceitou sua renúncia e nomeou o então Sacerdote, Revmo. Sr. Pe. Celso Antônio Marchiori – Bispo Diocesano de Apucarana. Permaneceu, porém, como Administrador Diocesano até 30 de agosto de 2009, quando dá Posse ao novo Bispo e aqui encerra seu pastoreio.

Celebração de Corpus Christi, Apucarana (PR),
2009.

Tendo retornado à Casa do Pai na hora do Angelus do dia 11 de agosto de 2017, seu corpo foi apresentado na Catedral Diocesana de Apucarana no domingo dia 13, seguindo depois para ser sepultado em Ampére-PR, na Capela da Ordem dos Agostinianos Descalços. Fez jus ao seu lema episcopal: “Ide, pregai o Evangelho”, pois por onde passou e com quem encontrou deixou seu rastro de evangelizador. Em uma palavra Dom Frei Luís Vincenzo Bernetti OAD, se apresentou na Diocese de Apucarana, como Religioso, Sacerdote e Bispo da mais reta, fiel, digna e honrada estirpe.

Padre José Roberto Rezende


Brasão Episcopal de Dom Frei Luis Bernetti

 

O azul superior lembra o infinito, para o qual tende todo projeto humano alicerçado na fé em Deus, e também a água, que derramada sobre nossas cabeças, na força do Espírito Santo, no batismo, nos torna membros do povo de Deus, filhos e filhas do Pai, com Cristo o Bom pastor.
O coração lembra a entrega e doação da vida de Cristo a todos os cristãos por amor. Como ministro de Cristo, o bispo entrega e doa a sua vida, como pastor, simbolizado no cajado.
As sandálias, lembram a necessidade de partir e de se despojar, ilustrando seu lema episcopal, “andando…pregai”, também recordam a Ordem dos Agostinianos Descalços, a qual pertence o bispo Dom Luis Vicente Bernetti. As sandálias são colocadas sobre o “verde” que significa os campos onde age o pastor, que vai ao encontro de seu rebanho onde ele está, na missão de, configurado ao Cristo Bom pastor, pastorear o rebanho de Cristo.
O lema “Euntes…praedicate”, na faixa amarela, recorda a importância da Palavra de Deus e da missão de ser missionário e pregador da Boa nova do Reino de Deus, o maior tesouro que carregamos em vasos de barro e que transforma a vida de todas as pessoas humanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *